sexta-feira, 15 de março de 2019

O valor do mercado de medicamentos cresceu cerca de 3% em 2018


Evolução do Mercado

  • O valor do mercado português de medicamentos mantém desde o ano de 2015 uma tendência de ligeira expansão. Em 2018, as vendas valoradas a preços de venda ao público, atingiram os 2.625 milhões de euros, com um crescimento de mais 2,7% do que em 2017, mais ainda longe do máximo de 3.353 milhões de euros contabilizados no ano de 2008.
  • Os medicamentos genéricos decresceram ligeiramente a sua quota de mercado em 2018, alcançando vendas de 515 milhões de euros (+2%), o que representou 19,6% do valor total do mercado de especialidades farmacêuticas, face aos 19,8% em 2017. O preço médio destes medicamentos tem-se incrementado gradualmente desde 2014.

Estrutura da oferta

  • O número de trabalhadores no setor de distribuição grossista de produtos farmacêuticos tem mantido uma tendência de crescimento no biénio 2016-2017. Assim, as 40 principais empresas do setor por faturação, geravam em 2017 um volume de emprego de cerca de 2.030 trabalhadores, o que se traduz em cerca de mais 6% do que em 2016.
  • O quadro médio de pessoal destas 40 empresas situou-se em 2017 em 51 empregados. Só oito operadores empregava, mais de 50 pessoas e somente três contavam com um quadro de pessoal acima de 250 trabalhadores.
  • Observa-se uma notável concentração geográfica das empresas em Lisboa, sendo que cerca de 43% das companhias de maior dimensão têm a sua sede neste distrito. Importa assinalar também os distritos do Porto, com 17,5%, e Setúbal, com 10%.
Dados Gerais, 2018

quarta-feira, 6 de março de 2019

Crescimento moderado da faturação do setor de serviços de telecomunicações


Evolução do Mercado


  • O volume de negócio do setor de serviços de telecomunicações confirmou em 2017 a retoma iniciada em 2016, situando-se em 5.905 milhões de euros, valor com um crescimento em relação ao ano anterior de 0,9%. Para o ano 2018 estimou-se um crescimento semelhante, com uma taxa abaixo de 1%.
  • No mercado retalhista, a faturação associada aos serviços fixos indidualizáveis e ao serviço telefónico móvel sofreu uma evolução negativa em 2017, mantendo a tendência observada em exercícios precedentes. Pelo contrário, a faturação que derivou da comercialização dos serviços oferecidos em pacote cresceu 4,9%.
  • O tráfego do serviço telefónico móvel continuou a crescer em 2017, registando um aumento de 6%, até aos cerca de 38.500 milhões de minutos, o que contrasta com o retrocesso de 11% contabilizado no segmento de serviço telefónico fixo.
  • O número de acessos de banda larga manteve a sua tendência crescente, com 3.38 milhões, mais 5,3% do que em 2016. Destaca-se o forte aumento dos acessos FTTH (+26,8%), que alcançaram 1.38 milhões.

Estrutura da Oferta

  • O número de empresas no setor de serviços de telecomunicações mantém-se desde 2015 em cerca de 95, enquanto o volume de emprego situou-se em torno de 14.300 trabalhadores em 2017.
  • A estrutura empresarial do setor caracteriza-se pela notável concentração da oferta, reforçada nos últimos anos depois de se terem registado importantes operações corporativas por parte dos principais operadores, de maneira que os três de maior dimensão geraram conjuntamente cerca de 80% da faturação global em 2017.

Dados Gerais, 2017

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019

O Ensino privado cresce de novo em Portugal


Evolução do Mercado


  • O volume de negócios agregado das universidades e politécnicos privados e escolas de negócios registou um aumento de 8,2% em 2018, ao passo que a faturação conjunta destas instituições se situou nos 330 milhões de euros, face aos 305 milhões do ano 2017.
  • A conjuntura económica favorável propiciou a evolução positiva da procura de estabelecimentos de ensino superior privados em Portugal, após fortes quebras do número de alunos registados nos anos letivos de 2007/2008 e 2014/2015.
  • O número total de alunos inscritos em cursos de formação formal em universidades e politécnicos cresceu 8,3% no ano letivo 2017/2018, até se situar nos 64 264.

Estrutura da Oferta

  • O número total de alunos matriculados em cursos de formação formal em universidades e politécnicos privados ascendeu a 64 264 no ano letivo 2017/2018, o que representou mais 8,3% do que no ano anterior. As universidades privadas atingiram os 46 036 alunos, mais 7% face ao mesmo ano, enquanto os politécnicos apresentaram um crescimento de 11,6%, para 18 228 estudantes matriculados.
  • A universidades privadas tinham um total de 42 estabelecimentos de ensino no ano letivo 2017/2018, número que nos últimos anos tem mantido uma tendência descendente; os politécnicos, pelo seu lado, gerem 64 estabelecimentos.
  • A oferta setorial apresenta um elevado grau de concentração, tendo as cinco principais empresas em conjunto gerado cerca de 50% das receitas totais. Quando ao número de alunos, as cinco principais instituições tinham no ano letivo 2017/2018 cerca de 53% do total, percentagem que atingiu os 71% quando consideradas as dez principais.
  • As instituições continuam, a intensificar as ações orientadas à angariação de negócios, através da ampliação da oferta, melhoria da qualidade, atração de procura externa e política de preços.
  • No tocante à ampliação da oferta, é relevante o lançamento de novos programas no âmbito da transformação digital, cada vez com maior procura por parte do tecido empresarial. De igual modo, as empresas continuarão a ampliar a oferta de cursos à distância e semipresenciais, bem como os programas dirigidos ao segmento empresarial.


sexta-feira, 22 de fevereiro de 2019

Mantém-se o crecimento das vendas dos grossistas de produtos alimentares para hotelaria


Evolução do Mercado


  • A faturação empresas grossistas de produtos alimentares em Portugal (excluindo as vendas ao canal de alimentação) cresceu 3,3% no exercício 2018, atingindo 1.265 milhões de euros, num contexto macroeconómico marcado pelo crescimento do consumo privado.
  • Este prolongamento da tendência crescente das receitas registadas nos dois anos anteriores, nos quais se registaram taxas de 4% e 4,7%, permitiu que o valor do mercado se incrementasse em 140 milhões de euros entre 2015 e 2018.
  • Em linha com o crescimento do volume de negócio, os indicadores de rentabilidade melhoraram ligeiramente em 2017 apesar da intensa concorrência em preço. Assim, num agregado de 34 das principais empresas do setor, a margem EBITDA situou-se em 2017 em 3,5%, duas décimas acima do ano anterior.

Estrutura da oferta

  • O número de empresas registadas na atividade de comercialização grossista de produtos de alimentação em Portugal situou-se em 9.063 em dezembro de 2017, valor ligeiramente superior ao que se tinha contabilizado no fim do exercício anterior.
  • As zonas Norte, que em 2016 albergava 2.749 empresas, Centro, com 2.389 operadores, e Lisboa (2.182) são as que contam com um maior número de companhias. Nas restantes zonas localizavam-se menos de 750 sociedades nesse ano.
  • Cerca de 90% dos operadores contam com menos de dez empregados, sendo estas empresas em Geral, companhias de caráter familiar e com um âmbito de atuação regional.
Dados Gerais, 2018

terça-feira, 19 de fevereiro de 2019

O crescimento das vendas de automóveis modera em 2018


Evolução do Mercado


  • O volume de negócio no setor de concessionários de automóveis (incluindo venda de automóveis novos, venda de automóveis de ocasião e venda de recâmbios, serviços de mecânica e outras atividades) manteve em 2018 a tendência de crescimento observada desde 2013, embora o ritmo se tenha atenuado.
  • Estimou-se um valor de 5.900 milhões de euros para 2018, cerca de mais 3% do que em 2017, ano no qual se tinha contabilizado um acréscimo de 6,5%. Importa assinalar que no triénio 2014-2016 contabilizaram-se ascensos anuais de dois dígitos.
  • O progresso das receitas dos concessionários manteve-se em linha com a evolução da procura de veículos novos. Assim, as vendas de automóveis ligeiros de passageiros atingiram, incluindo os veículos todo o terreno, cerca de 228.300 unidades em 2018, o que supôs mais 2,8% do que em 2017.

Estrutura da oferta

  • Após a forte redução do tecido empresarial registada no setor de comércio de veículos automóveis ligeiros no período 2008-2014, o qual passou de quase 6.100 para 4.551 empresas, o número de operadores voltou a crescer no período 2015-2017 até cerca de 5.500, com taxas anuais que rondam os 5-7%.
  • A maioria das empresas localizam-se na zona Norte de Portugal, a qual alberga cerca de 40% do número total, seguindo-se as zonas de Lisboa e Centro.
  • O volume de emprego ascendeu no último ano a cerca de 30.000 trabalhadores, um acréscimo de 6,5% em relação ao ano anterior. O quadro de pessoal médio por empresa situa-se em cinco pessoas, localizando-se os operadores de menor dimensão na zona Centro, no Alentejo e no Algarve.
Dados Gerais, 2018

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019

Forte crescimento da atividade no setor de trabalho temporário


Evolução do Mercado


  • A faturação das empresas portuguesas de trabalho temporário cresceu 6,1% no exercício de 2018, alcançando 1.350 milhões de euros, num contexto macroeconómico favorável, marcado pelo aumento da atividade empresarial e a queda do desemprego.
  • Esta positiva evolução prolonga a tendência crescente registada nos anos anteriores, com taxas de variação acima de 10% em vários exercícios, o que permitiu que o valor do mercado incrementasse em cerca de 50% entre 2013 e 2018.
  • Para os exercícios 2019 e 2020 as previsões apontam para um prolongamento da tendência crescente do número de trabalhadores e do volume de negócio, embora com um ritmo mais baixo do que nos anos anteriores.
Estrutura da oferta

  • O número de empresas autorizadas para operar no setor de trabalho temporário em Portugal ficou em 220 em Dezembro de 2018, valor ligeiramente inferior ao registado no fim do exercício anterior.
  • A zona de Lisboa, a qual alberga um total de 106 empresas, e a zona Norte, com 74 operadores, são as que contam com o maior número de empresas.
  • Por sua vez, o número de trabalhadores das empresas de trabalho temporário (incluindo ao trabalhadores cedidos) ficou em 99.823 em 2017, o que supôs um incremento de 8,3% em relação ao exercício precedente.
  • A oferta setorial está caracterizada por um alto grau de concentração, na medida em que as cinco principais empresas, em termos de faturação, alcançaram em 2017 uma quota de mercado conjunta de 40%.

Dados Gerais, 2018

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2019

Exportações de vinho já ultrapassam 800 milhões de euros


Evolução do Mercado


  • O volume de produção provisório de vinho na campanha 2018/2019 baixou para 5,30 milhões de hectolitros, cerca de menos 20% que na campanha anterior, na qual se registara um aumento de 11,9%. A região de Douro/Porto é a que gera um maior volume (21,5% do total na campanha 2017/2018), à frente de Lisboa (18%), Minho e Alentejo. com 14% cada uma delas, e Beiras (12%).
  • As exportações globais do setor geraram cerca de 806 milhões de euros em 2018, o que supôs cerca de mais 3% do que em 2017. O superavit comercial com o exterior cresceu ligeiramente, passando de 643 milhões de euros em 2017 para 648 milhões em 2018, apesar do notável crescimento neste último ano das importações (+15,3%).
  • Cerca de 43% das exportações totais em valor correspondem a vinho licoroso, nomeadamente o vinho do Porto, com uma participação de 40% sobre o valor total. Relativamente aos países de destino, cerca de 60% das vendas no exterior destinam-se à União Europeia, mantendo-se França e Reino Unido como os principais mercados. Entre os destinos extracomunitários mais importantes encontram-se os Estados Unidos, Brasil, Canadá e Angola.
Estrutura da oferta

  • O número de empresas com atividade no setor de vinho continuou a crescer em 2017, até se situar em 1346.Paralelamente o volume de emprego também aumentou, tendo passado de 9183 em 2014 para cerca de 10.000 trabalhadores em 2017.
  • Os operadores mais pequenos predominam no setor, situando-se o número médio de empregados por empresa em 7 pessoas. Só 26 empresas têm um quadro de pessoal acima de 50 trabalhadores e unicamente duas empregam mais de 400 pessoas.
  • A distribuição geográfica das empresas mostra uma notável concentração na zona Norte, na qual se localizam perto de 42% do total.

Dados Gerais