sexta-feira, 14 de junho de 2019

As vendas das residências para a terceira idade excedem pela primeira vez os 300 milhões de euros


Evolução do Mercado


  • A tendência de envelhecimento da população e a crescente incorporação da mulher no mercado de trabalho têm favorecido o aumento da procura de serviços assistenciais para a terceira idade durante os últimos anos.
  • Neste contexto, a faturação agregada das residências lucrativas situou-se, no ano 2018, em 315 milhões de euros, um incremento de 5% relativo a 2017, ano em que se registou um crescimento de 7,1%.
  • Nos últimos exercícios percebe-se uma tendência crescente tanto do número de centros como da sua capacidade. Assim, entre março de 2014 e março de 2019 o número de residências lucrativas cresceu até cerca de uma centena, enquanto que a sua capacidade se incrementou em cerca de 4.300 lugares.

Estrutura da oferta

  • Em março de 2019 operavam em Portugal cerca de 2.500 residências para a terceira idade das quais 736 eram residências lucrativas e 1.740 pertenciam a entidades não lucrativas.
  • O total de residências ativas rondava os 98.100 lugares, com uma capacidade média de 40 lugares por centro, 78% do número total de lugares (76.308) correspondia a entidades gestoras de centros não lucrativos, situando-se a capacidade das residências lucrativas em cerca de 21.800 lugares.
  • O distrito de Lisboa é o que conta com a maior capacidade de residências lucrativas, com 221 centro e 6.615 lugares em março de 2019, à frente de Setúbal, Porto, Leiria e Santarém, com respetivas capacidades entre 1.800 e 2.500 lugares.
  • A atomização empresarial carateriza a estrutura da oferta no setor, sendo que os cinco primeiros operadores por volume de faturação total em 2017 reuniram nesse execício uma quota de mercado conjunta de perto de 12%.
Dados Gerais, 2018