quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019

O Ensino privado cresce de novo em Portugal


Evolução do Mercado


  • O volume de negócios agregado das universidades e politécnicos privados e escolas de negócios registou um aumento de 8,2% em 2018, ao passo que a faturação conjunta destas instituições se situou nos 330 milhões de euros, face aos 305 milhões do ano 2017.
  • A conjuntura económica favorável propiciou a evolução positiva da procura de estabelecimentos de ensino superior privados em Portugal, após fortes quebras do número de alunos registados nos anos letivos de 2007/2008 e 2014/2015.
  • O número total de alunos inscritos em cursos de formação formal em universidades e politécnicos cresceu 8,3% no ano letivo 2017/2018, até se situar nos 64 264.

Estrutura da Oferta

  • O número total de alunos matriculados em cursos de formação formal em universidades e politécnicos privados ascendeu a 64 264 no ano letivo 2017/2018, o que representou mais 8,3% do que no ano anterior. As universidades privadas atingiram os 46 036 alunos, mais 7% face ao mesmo ano, enquanto os politécnicos apresentaram um crescimento de 11,6%, para 18 228 estudantes matriculados.
  • A universidades privadas tinham um total de 42 estabelecimentos de ensino no ano letivo 2017/2018, número que nos últimos anos tem mantido uma tendência descendente; os politécnicos, pelo seu lado, gerem 64 estabelecimentos.
  • A oferta setorial apresenta um elevado grau de concentração, tendo as cinco principais empresas em conjunto gerado cerca de 50% das receitas totais. Quando ao número de alunos, as cinco principais instituições tinham no ano letivo 2017/2018 cerca de 53% do total, percentagem que atingiu os 71% quando consideradas as dez principais.
  • As instituições continuam, a intensificar as ações orientadas à angariação de negócios, através da ampliação da oferta, melhoria da qualidade, atração de procura externa e política de preços.
  • No tocante à ampliação da oferta, é relevante o lançamento de novos programas no âmbito da transformação digital, cada vez com maior procura por parte do tecido empresarial. De igual modo, as empresas continuarão a ampliar a oferta de cursos à distância e semipresenciais, bem como os programas dirigidos ao segmento empresarial.