segunda-feira, 17 de dezembro de 2018

Mantém-se a tendência crescente das vendas de mobiliário de lar


Evolução do Mercado


  • As vendas de mobiliário de lar em Portugal mantiveram em 2017 a tendência de crescimento iniciada em 2014, num contexto de crescimento do consumo final das famílias e do mercado imobiliário. Assim, nesse exercício estimou-se um valor de 415 milhões de euros, o que supõe uma variação de perto de 4% em relação a 2016, ano no qual se registou um acréscimo de 5,3%.
  • Em 2017 observou-se um aumento do superavit comercial com o exterior, após a queda registada no período 2015-2016, atingindo 359 milhões de euros. As exportações cresceram 6% neste ano, até cerca de 530 milhões de euros, enquanto as importações, impulsionadas pelo dinamismo da procura interna, aumentaram quase 8%, situando-se em cerca de 170 milhões de euros.
  • França assumiu em 2017 cerca de 40% das exportações totais, sendo o mercado externo mais importante. Espanha ocupa a segunda posição, com uma participação nesse ano de 18%, embora importe assinalar o crescimento das vendas portuguesas de móveis no Reino  Unido (+28%) e Holanda (+38%). Espanha, é, no entanto, o principal país de origem das importações, concentrando 40% em 2017.

Estrutura da Oferta

  • O número de empresas fabricantes de mobiliário de lar em Portugal manteve em 2016 a tendência de baixa dos anos anteriores, até se situar em 3.640, face a 6.400 que estavam operacionais em 2004. Pelo contrário, o número de empregados no setor tem aumentado desde 2013, passando de 21.700 para pouco mais de 23.400 em 2016.
  • A estrutura empresarial do setor caracteriza-se ainda pela sua notável atomização, sendo que cerca de 87% do total de empresas contam com um quadro de pessoal inferior a 10 trabalhadores e só quatro empregam mais de 250 pessoas.
  • Por outro lado, importa destacar a elevada concentração geográfica da atividade na zona Norte de Portugal, na qual se localizam cerca de 70% das empresas, à frente das zonas Centro e Lisboa.

Dados Gerais, 2017