sexta-feira, 11 de maio de 2018

Mais de 90% das vendas de calçado destinam-se ao exterior


Evolução do Mercado


  • No período 2014-2016 o valor da produção de calçado manteve uma evolução positiva, num enquadramento de dinamismo da procura, tanto em Portugal como no mercado externo. Para o ano 2017 estimara-se um prolongamento desta tendência, crescendo o valor da produção a uma taxa de cerca de 5% que respeita ao ano anterior, até se situar em cerca de 2.120 milhões de euros.
  • Em 2017 as exportações atingiram um valor de 1.965 milhões de euros, mais 2,8% do que no ano anterior, enquanto que as importações cresceram 4,5%, situando-se nesse ano em 623 milhões de euros. A propensão do setor para exportar situou-se, em 2017, em cerca de 93%, quase dois pontos percentuais abaixo do valor contabilizado no ano anterior.
  • França mantém-se como o mercado externo mais importante para as empresas do setor, assumindo uma quota sobre as exportações totais de 20,9%, em 2017. A Alemanha ocupa a segunda posição, com uma participação de 19,2%, destacando-se também a Holanda, com uma quota sobre o total a rondar os 14%. Espanha é o principal país de origem das importações, contribuindo com 41,4% do valor total.

Estrutura da oferta

  • Depois da evolução positiva registada no período 2013-2015, o número de empresas fabricantes de calçado manteve-se estagnado em 2016, situando-se em 1.473, com menos dois operadores do que no ano anterior.
  • Predominam as pequenas empresas, sendo que cerca de 60% do total contam com um quadro de pessoal abaixo de 10 trabalhadores e só 9% empregam mais de 50 pessoas. Em 2016 o número médio de empregados por empresa ficou em 26 trabalhadores.
  • A estrutura empresarial do setor apresenta uma notável atomização, sendo que as cinco primeiras empresas reúnem uma participação conjunta sobre as vendas totais de produção nacional abaixo de 15%, enquanto as dez maiores concentram uma quota de 21%.

Dados Gerais, 2017