sexta-feira, 7 de julho de 2017

Prevê-se uma retoma da atividade no setor da construção em 2017


Evolução do Mercado


  • O valor da produção no setor da construção caiu em 2016, prolongando a quebra do período 2008-2015. Nesse ano situou-se em 10.742 milhões de euros, o que representou uma queda de 3,3% em relação a 2015 e contrasta com o valor de cerca de 20.148 milhões de euros em 2008.
  • Por segmentos, o valor da produção de edificação residencial cresceu 5%, enquanto o da edificação não residencial e o da engenharia civil registaram quedas de 1,7% e 8%, respetivamente.
  • No curto prazo as previsões apontam para uma retoma da atividade, de forma que no biénio 2017-2018 é esperada uma variação média anual do valor da produção de aproximadamente 3%.

Estrutura da oferta

  • Em abril de 2017 operavam em Portugal cerca de 51.200 empresas dedicadas à construção, perto de 4.200 mais do que em dezembro de 2015. O número de sociedades com certificado de empreiteiro situou-se em 29.950, mais 1,1% do que em abril de 2016, enquanto, pelo contrário, o número de empresas com alvará diminuiu 0,6% no mesmo período, até se situar em 21.245.
  • Os distritos de Lisboa e Porto concentram 19,3% e 14,6%, respetivamente, das empresas com alvará, destacando-se também Braga (8,9%), Leiria (7%), Setúbal (6,3%), Aveiro (6%), Faro (5,9%), Viseu (4,8%) e Santarém (4,7%).
  • A estrutura empresarial no setor da construção carateriza-se pelo alto grau de atomização da oferta. Assim, 50% dos operadores titulares de alvará estavam habilitados em abril de 2017 para realizar empreitadas com um valor máximo de 166.000 euros e tão só 7% estavam habilitados a assumir empreitadas de um valor superior a 1,3 milhões de euros.