segunda-feira, 3 de abril de 2017

Forte crescimento da atividade no setor de trabalho temporário entre 2013 e 2016


Evolução do Mercado


  • A faturação das empresas portuguesas de trabalho temporário cresceu 7,3% no exercício 2016, alcançando 1.175 milhões de euros, num contexto macroeconómico favorável, marcado pelo aumento da atividade empresarial e a queda do desemprego.
  • Este crescimento prolonga a tendência crescente registada nos dois anos anteriores, com taxas de 14,5% e 8,5%, o que permitiu que o valor do mercado se incrementasse em cerca de 300 milhões de euros entre 2013 e 2016.
  • O número de desempregados em Portugal tem mantido nos últimos anos uma tendência decrescente, reduzindo-se entre 2013 e setembro de 2016 em pouco mais de 300.000 pessoas. Assim, no terceiro trimestre deste último exercício o número de pessoas sem trabalho cifrou-se em 550.000.

Estrutura da Oferta

  • O número de empresas autorizadas para operar no setor de trabalho temporário em Portugal situou-se em 230 em dezembro de 2016, valor semelhante à registada no fim do exercício anterior. A zona de Lisboa, a qual alberga um total de 110 empresas, e a zona Norte, com 83 operadores, são as que contam com o maior número de empresas.
  • Pela sua parte, o número de trabalhadores das empresas de trabalho temporário (incluindo aos trabalhadores cedidos) cifrou-se em 84.089 em 2015, o que supôs um incremento de 11,6% com respeito ao exercício precedente, no qual o número de empregados situou-se em 75.354.
  • A oferta setorial está caraterizada por um alto grau de concentração, de forma que as cinco principais empresas em termos de volume de faturação alcançaram em 2015 uma quota de mercado conjunta de 38%.
Dados Gerais, 2016