sexta-feira, 31 de março de 2017

Quebra das exportações de derivados de carne após cinco anos de crescimento


Evolução do Mercado


  • O valor da produção no setor de derivados de carne situou-se no ano 2016 em 975 milhões de euros, o que supôs um crescimento de 0,5% em relação a 2015, num enquadramento de reativação da procura no mercado interno.
  • Após situar-se o déficit da balança comercial em 2014-2015 em 23 milhões, em 2016 elevou-se até aos 36 milhões. Neste último ano as exportações alcançaram 128 milhões de euros, menos 3,8% do que em 2015, enquanto as importações aumentaram 5,1%, atingindo 164 milhões.
  • Neste contexto, a propensão a exportar situou-se em torno de 13% em 2016. A penetração das importações no mercado interno, pela sua parte, foi de 16%, cerca de mais dois pontos percentuais do que em 2010.

Estrutura da oferta

  • O  número de empresas com atividade no setor de derivados de carne situou-se em cerca de 450 em 2015, mais 3% do que no ano anterior. O volume de emprego setorial, pela sua parte, após a quebra registada no período 2012-2014, voltou a crescer em 2015 (+6,6%), até aos 6.600 trabalhadores.
  • Predominam os operadores de pequena dimensão, de modo que cerca de 76% do total contam com menos de 10 empregados e só cerca de 20 empresas empregam mais de 50 trabalhadores.
  • Do ponto de vista geográfico, percebe-se uma notável concentração da oferta nas zonas Norte e Centro do país, as quais reuniam 38% e 26% do total de empresas, respetivamente, em 2014. Segue-se a zona do Alentejo, com pouco mais de 20% dos fabricantes, no mesmo exercício.
Dados Gerais, 2016