quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

O setor da distribuição alimentar confirma o seu crescimento em 2016


O volume de negócios do mercado ibérico de distribuição alimentar registou uma subida em 2015, num contexto de melhoria do consumo privado. Assim, a faturação agregada em Portugal e Espanha dos hipermercados, supermercados, autosserviços  e estabelecimentos cash & carry situou-se em 100 050 milhões de euros, mais 1,8% do que em 2014, ano em que recuou 0,3%.

Em Espanha o valor do mercado ascendeu a 85 520 milhões de euros (+1,9%), equivalente a 85,5% do total ibérico, enquanto em Portugal alcançou os 14 530 milhões (+1%).

O aumento do número de visitas aos estabelecimentos e a cada vez maior importância dos produtos frescos no cabaz de compras têm favorecido a subida das vendas do comércio de proximidade em detrimento dos hipermercados. Assim sendo, o volume de negócios dos supermercados e autosserviços cresceu 2,4% em 2015, para 77 340 milhões de euros.

Os hipermercados perderam quota de mercado, com a faturação a cair 0,6%, para 14 474 milhões de euros. Os estabelecimentos de cash & carry, por seu lado, foram favorecidos pelo dinamismo dos setores da hotelaria e restauração e o aumento da procura turística, tendo gerado em 2015 um volume de negócios de 5235 milhões de euros em Portugal e Espanha, 1,5% mais do que em 2014.

A situação do mercado continuou a melhorar em 2016, prevendo-se que no conjunto do mercado ibérico o ano encerre com um volume de negócios de 102 330 milhões de euros, um crescimento de 2,3% face a 2015.

As maiores empresas tendem a aumentar o número de referências, introduzindo novos formatos e variedades. Assinale-se ainda a descida moderada da quota de mercado das marcas de distribuição a favor de uma maior diversidade de artigos de diversos fabricantes, bem como a melhoria da oferta de produtos frescos, refeições prontas e o aumento de produtos locais. A transformação digital, pelo seu lado, concentra grande parte dos investimentos prevista pelas empresas para os próximos anos.