sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Mantém-se o crescimento da oferta e da faturação no setor de residências para a terceira idade


Evolução do Mercado


  • A procura de serviços assistenciais para a terceira idade em Portugal mantém nos últimos exercícios uma tendência de crescimento, num enquadramento de crescente incorporação da mulher no mercado de trabalho, progressivo envelhecimento da população e, em 2015, melhoria da atividade económica.

  • Porém, o volume de negócio das residências lucrativas atingiu neste último ano o valor de 165 milhões de euros, o que supôs um acréscimo de 3,1% com respeito a 2014, ano no qual também se tinha registado uma variação em torno de 3%. Prevê-se que em 2016 continue o crescimento de faturação setorial.

  • Importa assinalar o elevado grau de ocupação média dos centros, situando-se em março de 2016, considerando tanto residências lucrativas como não lucrativas, aproximadamente em 92%.

Estrutura da oferta


  • O número total de residências para a terceira idade com atividade em Portugal situou-se em março de 2016 em 2.347, das quais 686 eram propriedade de entidades lucrativas, correspondendo o resto a entidades não lucrativas. Neste último grupo destaca-se a importância das residências pertencentes às Misericórdias, com 488 centros.

  • A capacidade global elevou-se nessa data acima dos 92.000 lugares, dando como resultado uma média de 39 lugares por cento, quantidade que se tem mantido estável nos últimos anos. O número de lugares em residências não lucrativas aproximou-se a 73.000, 79% do total, enquanto a capacidade das residências lucrativas situou-se em pouco mais de 19.300 lugares.

  • O distrito de Lisboa é o que conta com uma maior oferta de centros lucrativos, com 211 residências e cerca de 6.000 lugares, situando-se atrás dele Porto, Setúbal e Leiria.
Dados Gerais