segunda-feira, 16 de maio de 2016

Transitários faturaram 1 475 milhões de euros em 2015

As empresas transitárias faturaram 1 475 milhões de euros em 2015, um crescimento de 3,5% face ao ano anterior. Os números são do estudo setorial "Empresas Transitárias" aponta como causas deste crescimento a evolução positiva do comércio externo português, a deslocalização produtiva e a crescente externalização das atividades logísticas por parte das empresas portuguesas.

A melhoria gradual da economia e o aumento das trocas  comerciais com o exterior têm repercussões positivas na atividade das empresas transitárias a curto e médio prazo. Assim, em 2016 e 2017 as previsões apontam para que a tendência de crescimento da procura se mantenha.

Apesar da evolução favorável das receitas, é expectável uma elevada atividade concorrencial, em consequência do forte poder de negociação dos clientes, fator que dificulta o aumento significativo da rentabilidade das empresas.

Em dezembro de 2015, estavam inscritas no Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT IP) 345 empresas com licença administrativa para o exercício da atividade transitária em Portugal, mais 23 do que  em 2013. A distribuição geográfica das empresas apresenta uma forte concentração no Porto e em Lisboa, distritos que concentram 80% do total das empresas.

A maioria dos operadores, cerca de 60%, tem menos de 10 trabalhadores, enquanto um terço emprega entre 11 e 50 trabalhadores.

A oferta do setor continua a caraterizar-se pelo seu alto grau de atomização, embora nos últimos anos apresente uma tendência de concentração empresarial. Assim, a quota de mercado conjunta dos cinco principais operadores situou-se nos 21% em 2014, enquanto os dez principais detinham uma participação de 35%.