sexta-feira, 23 de outubro de 2015

2014 é o ano da retoma na produção de artes gráficas


O valor da produção das artes gráficas em Portugal experimentou em 2014 uma ligeira retoma, após cinco anos de quebra, impelido pela progressiva melhora da economia portuguesa e, nomeadamente, do consumo das famílias e o gasto das empresas. Assim, em 2014, o valor da produção situou-se em 940 milhões de euros, com um crescimento de 0,4% face ao ano anterior, no qual  se registara uma quebra de 2,7%.

O comércio externo de produtos das indústrias gráficas, livros e jornais cresceu moderadamente em 2014, após ter registado uma forte queda em 2013. As exportações atingiram em 2014 75 milhões de euros, 1,4% mais do que no exercício anterior, enquanto as importações cresceram 2,1% até aos 148 milhões de euros.

Para o biénio 2015-2016 esperam-se crescimentos moderados da produção, de forma que no último destes anos poderiam alcançar-se 970 milhões de euros.


Estrutura da oferta

A oferta do setor das artes gráficas carateriza-se pela elevada atomização. Assim, em 2013 operaram em Portugal 2.757 empresas, que empregavam perto de 15.200 trabalhadores. Ou seja, em média, cada empresa tinha 5,5 colaboradores.

Ainda assim, o setor está imerso há vários anos num processo de concentração da oferta, causado pelo excesso de capacidade produtiva existente e a intensa concorrência em preço. Neste sentido, no período 2007-2013, o número de operadores diminuiu 21%.

Os operadores líderes do setor têm incrementado a sua quota de mercado nos últimos anos. Os cinco primeiros reuniram uma quota de produção conjunta de 20,4% em 2013, percentagem que atingiu 28,8% se se considerarem os dez primeiros.