segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Mercado de medicamentos continuou em queda em 2014

O mercado português de medicamentos mantém, desde o ano 2009, uma tendência de decréscimo num contexto de contração dos preços que é motivada pelas políticas de redução da despesa pública farmacêutica.

O valor das vendas em farmácias comunitárias em Portugal Continental estima-se, em 2014, em 2.398 milhões de euros, o que representa um decréscimo de 0,5% face a 2013 e 28% face ao máximo contabilizado no ano 2008. No que respeita ao número de embalagens comercializadas, registou-se uma variação  negativa de 0,4%, atingindo os 237 milhões.

Os medicamentos genéricos aumentaram a sua participação no mercado total em 2014, continuando com a tendência de 2013, até alcançar uma penetração de 20,4% em valor.

A balança comercial do setor apresenta um saldo deficitário, embora tenha sido reduzido significativamente nos últimos anos, num contexto de forte crescimento das exportações. Em 2014, as vendas ao exterior situaram-se nos 778 milhões de euros, 20,4% acima de 2013, enquanto as importações subiram ligeiramente (+2,2%) até aos 1.730 milhões.

O número de fabricantes de especialidades farmacêuticas era, em 2013, de 108, valor semelhante ao de 2012 mas notavelmente abaixo dos 131 operadores registados em 2007. O estudo aponta para uma clara concentração da atividade produtiva no distrito de Lisboa, onde se localiza a sede social de 80% das 40 principais empresas do setor.

Sete destas empresas contavam em 2013 com um pessoal superior a 250 trabalhadores, enquanto 24 empregavam entre 50 a 250 pessoas.

O capital estrangeiro tem uma grande importância no setor, participando maioritariamente em mais de 30 dos 40 principais laboratórios. Destaca-se o capital de origem suíça, britânica, espanhola, alemã, italiana, francesa e dos Estados Unidos da América.

Dados Gerais, 2014