segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Crédito ao consumo cresce fortemente em Portugal


A procura do crédito ao consumo em Portugal foi penalizada até 2012 pela crise económica, fragilidade da despesa das famílias e as restrições à concessão de crédito por parte das instituições financeiras, tendo-se verificado uma significativa retoma da atividade a partir de 2013.

Neste contexto, o investimento novo aumentou 15% em 2013, atingindo os 3705 milhões de euros, enquanto em 2014 subiu 11,4% para 4128 milhões de euros.

As instituições com atividade universal concentraram cerca de 59% do montante total do investimento novo de crédito ao consumo em 2014, enquanto os 41% restantes corresponderam a instituições com atividade especializada no crédito (estabelecimentos financeiros de crédito e bancos espacializados em financiamento ao consumo).

A recuperação da economia portuguesa permite antever um aumento da procura do crédito a curto e médio prazo. Neste contexto de retoma, prevê-se uma reativação da atividade de algumas das instituições que nos últimos anos travaram a concessão de novos créditos.

As instituições principais continuarão a diversificar a sua atividade para novos segmentos, principalmente o financiamento de serviços de consumo, destacando-se os relacionados com a saúde e o bem-estar e, ainda, o financiamento de estudos de formação superior.

No quadro descrito, é previsível que o montante das novas operações de créditos concedidos registe no final de 2015 um aumento de cerca de 15% para 4750 milhões de euros, tendência que tudo indica se manterá em 2016.

No final de 2014 operavam em Portugal 64 instituições que recebem depósitos, para além das 16 Instituições Financeiras de Crédito.

A restruturação do sistema financeiro português, em consequência da intervenção por parte do Estado de várias instituições que recebem depósitos, as operações de fusão e integração de empresas e a cessação de atividade de alguns operadores provocaram a redução do número de instituições nos últimos anos, ao passo que aquelas que se mantiveram no mercado ganharam dimensão e solvabilidade.

As cinco principais instituições representavam em conjunto 47% do montante total de crédito ao consumo em 2014, enquanto as dez principais concentravam mais de 70%.

Dados Gerais