terça-feira, 30 de junho de 2015

Exportações de alimentos congelados mantêm tendência de subida

O volume de negócio no setor de alimentos congelados tem mantido nos últimos anos uma tendência de crescimento, favorecida pelo bom comportamento das vendas ao exterior.

Em 2014 acelerou-se o ritmo de crescimento das exportações, destacando-se também a notável subida das compras no exterior. Assim, as exportações atingiram 440 milhões de euros, um aumento de 27,5% face a 2013 e que contrasta com o valor de pouco mais de 200 milhões de euros contabilizados em 2009.

O aumento continuado das exportações nos últimos exercícios permitiu uma redução significativa do deficit comercial, que passou de 635 milhões de euros em 2007 para 383 milhões em 2014. Importa assinalar que neste último ano as importações também cresceram significativamente, até alcançar o valor de 823 milhões de euros, mais 9,2% do que em 2013.

Cerca de 70% das vendas para o exterior em 2014 foram encaminhadas para a União Europeia, destacando-se Espanha como o primeiro mercado, com uma participação sobre o valor total de 43%. Espanha também é, com diferença sobre o resto, a principal origem das importações, reunindo perto de 46% do total.

Na estrutura empresarial do setor predominam os operadores de pequena dimensão. Apenas 25 empresas têm mais de 50 colaboradores e unicamente duas empregam mais de 250 pessoas.

Os distritos de Braga, Lisboa, Porto e Viseu são os que concentram uma maior atividade produtiva, acolhendo as sedes de metade dos 40 operadores de maior dimensão.

O volume de emprego gerado pelas 40 principais empresas situou-se em 2013 nos 4.771 colaboradores, um leve decréscimo relativamente a 2012, ano em que se tinha registado uma subida de 3,5%.

Dados Gerais, 2014