sexta-feira, 6 de junho de 2014

Venda de viagens online no mercado ibérico gera 10 mil milhões de euros


A  facturação agregada dos sítios Web de venda de viagens com conteúdos específicos para Espanha e Portugal alcançou, em 2013 os 9730 milhões de euros. Este valor representa um aumento de 5,6% relativamente a 2012, ano em que registou uma variação de 7,3%.

Apesar da quebra da procura turística interna tanto em Espanha como em Portugal, a progressiva transferência de clientes dos canais tradicionais para o online explica o aumento das receitas nos últimos anos.

Os portais Web espanhóis viram crescer o seu negócio 5,8% em 2013, até aos 8535 milhões de euros, enquanto as vendas em Portugal aumentaram de forma mais moderada (+4,8%), situando-se nos 1195 milhões.

Por tipo de operador, as receitas geradas pelas companhias aéreas através de sítios Web próprios situaram-se, em 2013, nos 4049 milhões de euros no conjunto do mercado ibérico, mais 2,4% do que no ano anterior, valor que representou 41,6% da facturação total.

Por seu lado, o negócio realizado pelas agências de viagens virtuais alcançou os 3390 milhões de euros, com um aumento de 7,3% em relação ao exercício de 2012, concentrando 34,8% da facturação total. O restante mercado ibérico de viagens online repartiu-se entre cadeias hoteleiras (10,9%), empresas ferroviárias (5,2%), agências de viagens tradicionais (4,8%) e empresas de rent-a-car (2,7%).

O melhor comportamento esperado da actividade turística e o aumento da penetração da internet nos lares possibilitarão uma aceleração do ritmo de crescimento do comércio electrónico de viagens no mercado ibérico, tanto a curto como a médio prazo.

Assim, prevê-se que as receitas da venda de produtos turísticos dos sítios web com conteúdos específicos para Espanha e Portugal encerrarão o exercício de 2014 com 10 590 milhões de euros, representando um aumento de quase 9% relativamente ao ano anterior. Em 2015 espera-se um crescimento ligeiramente superior.

O negócio dos portais Web espanhóis crescerá previsivelmente à volta de 9% em 2014, até aos 9300 milhões de euros, prevendo-se um aumento um pouco inferior, de 8%, para o mercado português, que se situará nos 1290 milhões de euros.

Ao acentuado potencial de crescimento que o negócio gerado pelas agências de viagens virtuais oferece acrecenta-se o previsível aumento do número de agências de viagens tradicionais e de cadeias hoteleiras com serviços de venda online.