sexta-feira, 1 de novembro de 2013

As lojas de artigos têxteis facturam menos 3% em 2013


O valor do mercado ibérico de comércio a retalho de vestuário e de têxteis caiu até aos 20 935 milhões de euros em 2012, menos 3,6% do que no exercício anterior. A facturação em Espanha situou-se nos 17 400 milhões de euros, depois de perder 3,1% relativamente ao ano transacto, enquanto em Portugal foi de 3 535 milhões, menos 6,2%.

A contracção do consumo das famílias, a queda dos preços derivada da aplicação de promoções e descontos, e a crescente orientação da procura para produtos de baixo preço explicam a tendência descendente da receita.

As vendas dos estabelecimentos independentes, com menor capacidade para fazer frente à conjuntura negativa, caíram acima da média no conjunto do mercado ibérico (menos 6,1% em 2012). Por outro lado, as vendas dos produtos têxteis dos grandes armazéns, hipermercados e supermercados registaram uma descida de 4,2%.

A expansão das cadeias low cost e o bom comportamento das vendas em estabelecimentos outlet impulsionaram o negócio das cadeias especializadas, as quais também se viram favorecidas com a progressiva mudança de hábitos de consumo e a sua maior capacidade para oferecer novidades a menor preço. Ainda assim, a quebra da despesa em produtos têxteis traduziu-se num decréscimo da receita deste tipo de operadores, que em 2012 se situou nos 2,0%.

A diminuição dos gastos das famílias, associada ao elevado nível de desemprego e à incerteza económica, continuará a penalizar as vendas a curto prazo, tanto em Espanha como em Portugal. No final de 2013 prevê-se uma descida de 3,5% no volume de negócios no conjunto do mercado ibérico (menos 3% em Espanha e menos 5% em Portugal).

Em finais de 2012 operavam cerca de 75 000 pontos de venda especializados no comércio retalhista de vestuário e de têxteis no mercado ibérico, 80% dos quais localizam-se em Espanha e 20% em Portugal. Observa-se uma tendência gradual de concentração da oferta, tendo  o número de pontos de venda em Espanha diminuído mais de 13 000 unidades entre 2006 e 2012, enquanto em Portugal encerraram mais de 2000 empresas.

Catalunha, Andaluzia e Madrid representam quase metade do número total de estabelecimentos em Espanha. Em Portugal, a zona Norte é a região onde se localiza o maior número, com uma participação de 36%, seguida das zonas de Lisboa e Centro.

Os cinco principais operadores do mercado ibérico representaram de forma agregada 46% do valor total do mercado em 2012. A concentração é maior no mercado espanhol, no qual as cinco principais empresas geraram 48% das vendas face aos 32% registados pelos cinco principais operadores portugueses.