segunda-feira, 3 de junho de 2013

O aumento das exportações impulsiona a facturação do sector de alimentos congelados

 
Evolução do mercado
 
- O volume de negócio no sector de alimentos congelados verificou no período 2010-2012 um crescimento significativo, favorecido pelo bom comportamento das vendas ao exterior.
 
- As exportações atingiram 316 milhões de euros em 2012, 11,3% mais do que em 2011, ano que se registou uma variação positiva de 8,8%.
 
- O aumento das exportações permitiu uma redução do défice comercial, que passou de 635 milhões de euros em 2007 para 458 milhões em 2012. Neste último ano as importações situaram-se em 774 milhões de euros, contabilizando um decréscimo de 0,3% face a 2011.
 
- Cerca de 75% das vendas ao exterior destinam-se à União Europeia, destacando-se Espanha como o primeiro mercado, com uma participação sobre o valor total de 46,5% em 2012. Entre os destinos extra-comunitários destacam-se Angola e Brasil.
 
 
Estrutura da oferta
 
- Na estrutura empresarial do sector de alimentos congelados predominam os operadores de pequena dimensão, de forma que só 25 empresas têm um número de empregados superior a 50 trabalhadores e unicamente duas empresas empregam mais de 250. Estas últimas são a Nestlé e a Pascoal & Filhos, as quais em 2011 empregaram 1.540 e 429 trabalhadores, respectivamente.
 
- A distribuição geográfica das principais empresas do sector reflecte uma notável concentração nos distritos de Porto, Lisboa, Viseu e Santarém, nos quais estão sediadas pouco mais de metade dos 40 operadores de maior dimensão. Estas 40 empresas geraram em 2011 um volume total de emprego de 4.873 trabalhadores, 5% mais do que em 2010 e uma variação média anual de 3,6% em comparação com 2009.