quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Estabelecimentos de Bricolage: Cinco grupos concentram 80% do Mercado Ibérico da Bricolage


Evolução da actividade

Segundo a DBK, filial da Informa D&B (Grupo CESCE), a conjuntura económica desfavorável e a deterioração do consumo privado afectam negativamente as vendas de artigos de bricolage em Espanha e Portugal em 2011. O volume de negócios total dos estabelecimentos especializados na venda a retalho deste tipo de produtos no conjunto do mercado ibérico sitou-se nos 3105 milhões de euros, menos 1,4% do que em 2010.

A facturação em Espanha diminuiu 0,8%, até aos 2560 milhões de euros, enquanto as vendas em Portugal apresentaram uma evolução mais desfavorável, situando-se nos 545 milhões de euros, o que representou um decréscimo de 4,4% relativamente ao valor registado em 2010.

No biénio 2010-2011 observou-se uma deterioração das margens no sector, devido à contracção da procura, subida da concorrêmcia entre as empresas e pressão sobre os preços.


Estrutura da oferta

Em Setembro de 2012, o número de estabelecimentos especializados na venda retalhista de artigos de bricolage a operarem no mercado ibérico era de 670, dos quais 510 localizavam-se em Espanha e os restantes 160 em Portugal.

Verifica-se a saída do mercado de pontos de venda de pequena dimensão, geralmente pertencentes a empresas de carácter familiar, enquanto as principais cadeias continuam a ampliar as suas redes de estabelecimentos.

Andaluzia, Comunidade Valenciana, Catalunha e Madrid, em Espanha, e as zonas Norte, Centro e Lisboa, em Portugal, são as regiões onde se situa o maior número de pontos de venda. Estas zonas reúnem 65% do total de estabelecimentos que operam no mercado ibérico.

Verifica-se um significativo grau de concentração empresarial no sector, sendo que os cinco principais operadores reúnem em conjunto uma quota de mercado de 79%.


Previsões

A contracção do redimento disponível das famílias, num contexto de elevadas taxas de desemprego, e a quebra adicional do mercado imobiliário permitem antever, a curto prazo, uma significativa descida da facturação sectorial.

No encerramento de 2012 prevê-se um volume de negócios de 2835 milhões de euros no conjunto do mercado ibérico, menos 8,7% do que em 2011, enquanto em 2013 manter-se-á esta tendência, calculando-se uma variação negativa de 3-4%.

As empresas de bricolage enfrentam ainda ameaças como a diversificação para este sector dos distribuidores de ferragens e materiais de construção e a penetração crescente dos hipermercados e outras grandes superfícies neste mercado.

Neste contexto, prevê-se uma redução do número de pontos de venda independentes, os quais perderão quota a favor dos grupos de distribuição de maior dimensão.