quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Empresas de Trabalho Temporário facturarão menos 7% em 2012

 
Evolução da actividade:

- Segundo a DBK, filial da Informa D&B (Grupo CESCE), o mercado de trabalho temporário registou em 2011 uma descida de 0,6%, situando-se nos 895 milhões de euros, comparativamente aos 900 milhões registados no exercício anterior.
 
- A desfavorável situação económica provocou nos últimos anos uma forte pressão sobre os preços do serviço e uma deterioração da rentabilidade.
 
- O sector de serviços a empresas constituiu o principal segmento de procura para as empresas do sector, representando em 2010 perto de 9%  do número total de contractos de disponibilização de pessoal temporário. Outros sectores relevantes são os da restauração, alojamento/imobiliário, industria alimentar, logítica e comércio.
 
 
Estrutura da oferta:
 
- A crise económica e o crescente grau de maturidade do mercado provocaram nos últimos anos o desaparecimento de numerosas pequenas e médias empresas de trabalho temporário.
 
- Em 2010 havia em Portugal 220 empresas licenciadas para a cedência temporária de trabalhadores, comparativamente às 267 do ano 2005. O número de delegações também sofreu um forte retrocesso, sendo de 390 em 2010, menos 15% do que no ano anterior.
 
- A estrutura da oferta caracteriza-se pelo alto grau de concentração. Em 2011 a quota de mercado conjunta das cinco principais empresas era de 61%, percentagem que se eleva para 72%, se considerarmos as dez principais.
 
 
Previsões:
 
- A deterioração da actividade económica constitui a principal ameaça que enfrentam os operadores do sector.
 
- No final de 2012 estima-se uma quebra da facturação sectorial de cerca de 7%, até se situar nos 830 milhões de euros. Em 2013 esta tendência manter-se-á, prevendo-se uma contracção do volume de negócios na ordem dos 3% ou 4%.
 
- A contracção do mercado continuará a penalizar as margens de rentabilidade e a favorecer o processo de concentração da oferta sectorial. Os operadores de maior dimensão e capacidade financeira procurarão diferenciar-se dos seus concorrentes através da especialização e ampliação dos serviços prestados.