terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Distribuição de Confecção: As cadeias especializadas concentram metade das vendas de roupa em Portugal

Evolução da actividade

- Segundo a DBK, filial da Informa D&B (Grupo CESCE), o valor das vendas do comércio a retalho de artigos de vestuário em Portugal contraiu-se a um ritmo médio anual próximo dos 2% durante o período de 2008-2011. Em 2011 situou-se nos 3950 milhões de euros, o que representou uma diminuição de 2,2% relativamente ao ano anterior.
 
- A intensificação das ofertas e promoções levadas a cabo pelos operadores do sector como medida para incentivar a procura, bem como o forte aumento das cadeias de roupa low cost motivaram uma redução dos preços.
 
- Os retalhistas independentes continuam a acusar as maiores descidas no volume de vendas, verificando-se, nos últimos anos, uma considerável redução da sua quota de mercado, fundamentalmente em benefício das cadeias especializadas.
 
- Assim, o volume de negócios gerado pelo comércio independente registou uma descida de 5,4% em 2011, até se situar nos 1400 milhões de euros, concentrando 35,4% do mercado total, contra os 39,8% em 2008.
 
- Por seu lado, a facturação conjunta das cadeias especializadas caiu 0,8%, até aos 1935 milhões de euros. Este valor representou 49% do valor total do mercado, aproximadamente mais quatro pontos percentuais do que no exercício de 2008.
 
- Com um volume de negócios de 615 milhões de euros, as grandes superfícies concentraram em 2011 uma quota de mercado de 15,6%, contra os 14,9% registados em 2008.
 
- No exercício de 2012 prevê-se uma diminuição da facturação sectorial próxima dos 5%, até se situar nos 3750 milhões de euros. A saída de retalhistas independentes do mercado, devido à queda das vendas, perda de rendibilidade e dificuldade de acesso ao crédito, reforçará o posicionamente das grandes cadeias a curto e médio prazo, as quais, pelo seu lado, têm vindo a estar muito activas relativamente a operações de compra de outros operadores.
 
 
Estrutura da oferta
 
- Em Portugal, o número de empresas de venda a retalho de vestuário era, em 2010, de 13 336, representando uma diminuição de 1300 empresas relativamente a 2008, num contexto de contracção da procura, concorrência intensa e financiamento limitado. O volume de emprego gerado ascendeu a 45 200 trabalhadores.
 
- Por seu lado, a rede de pontos de venda das 50 cadeias líderes de mercado alcançou, em Julho de 2012, os 2000 estabelecimentos, representando um crescimento de 1% relativamente a Dezembro de 2011. Verificou-se, ainda, uma moderação no ritmo de aberturas.
 
- Cerca de 88% da rede de vendas destas cadeias é composta por pontos de venda próprios, enquanto apenas 12% actua em regime de franchising. Por outro lado, continuam a aumentar os centros outlet e o canal de vendas on-line.
 
- O sector apresenta uma considerável dispersão da oferta, embora o crescimento das grandes cadeias especializadas e as grandes superfícies estejam a impulsionar o grau de concentração. Os cinco principais operadores detinham, em 2011, uma participação sobre o total do mercado de 26%, percentagem que sobe para 36% se se considerarem os dez principais.