quinta-feira, 8 de novembro de 2012

O mercado privado dos serviços urbanos decresceu 4%

 
Evolução do mercado
- A redução do volume de resíduos gerados e os cortes verificados na despesa e investimento públicos penalizaram a evolução recente do sector dos serviços urbanos em Portugal.
- Assim, depois de abrandar significativamente o seu ritmo de crescimento em 2010, a facturação conjunta das empresas privadas dedicadas à prestação destes serviços recuou 4,2% em 2011, situando-se nos 160 milhões de euros.
- O mercado privatizado de tratamento e eliminação de resíduos, afectado pelo termo de vários contratos de gestão de infra-estruturas de tratamento entre empresas privadas do sector, diminuiu 6%, até se situar nos 23 milhões de euros.
- Relativamente ao segmento de resolha e transporte de resíduos, o mais importante no sector, a facturação das empresas privadas nesta áreas situou-se, em 201, nos 87,5 milhões de euros, descendo 3% em relação ao ano anterior e representando 55% do total do mercado.
- Cerca de 3% foi também a quebra registada pelo mercado privatizado de limpeza urbana, que se cifou em 35 milhões de euros, concentrando 22% do total.
- Num contexto de continuação da tendência de descida do colume de resíduos e da redução da despesa da Administração pública, prevê-se que a facturação obtida pelas empresas privadas do sector registe uma nova quebra em 2012, situando-se nos 157 milhões de euros.
 
Estrutura da oferta
- A participação dos operadores privados no mercado português de serviços urbanos é contudo reduzida, sendo a maior parte da população atendida por sistemas de gestão pública.
- Em 2011, operavam no mercado privatizado cerca de 30 empresas, a maior parte dedicada a actividades de recolha e transporte de resíduos sólidos urbanos, limpeza urbana e de praias e jardinagem.
- O número de empresas de capital privado diminuiu nos últimos anos devido, entre outros motivos, a processos de desinvestimento realizados por alguns dos grandes grupos construtores.
- Além disso, o desaparecimento de empresas de pequena dimensão e as operações de aquisição de empresas por parte de alguns dos operadores lideres de mercado tendem a acentuar o grau de concentração da oferta no mercado privatizado. Em 2011, a quota de mercado conjunta dos cinco principais operadores superou os 80%, elevando-se aos 95% a correspondente aos principais dez.