segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Empresas de catering crescem em hospitais e escolas

Evolução do mercado:

- A facturação das empresas do sector de catering estagnou nos 605 milhões de euros em 2011, depois de ter crescido 3,4% no exercício de 2010.
 
- A manutenção da tendência de subcontratação dos serviços de refeição em algumas áreas como as da saúde e educação permitiu sustentar o cresceimento do segmento da restauração colectiva, o qual, com o volume de negócios de 494 milhões de euros em 2011, registou um aumento próximo dos 2%.
 
- O sector da saúde é o principal cliente dos serviços de catering para restauração colectiva, tendo a facturação nesta área totalizado 156 milhões de euros em 2011, o que representou um crescimento de 4,7% em relação ao ano anterior. O sector da educação gerou 131 milhões de euros, registando uma variação de 3,1%.
 
- O segmento de catering para empresas de transporte, por seu lado, cifrou-se em 61 milhões de euros, menos 1,6% do que em 2010, enquanto o de catering de alta qualidade para eventos apresentou uma evolução mais desfavorável, situando-se nos 50 milhões de euros, o equivalente a uma quebra de 13,8%.
 
- As previsões apontam para uma quebra no mercado próxima dos 3% em 2012, em consequência do enfraquecimento da procura e da forte pressão sobre os preços, o que permite prever uma deterioração da rentabilidade do sector.
 
 
Estrutura da Oferta:
 
- Em 2009 operavam no sector de catering um total de 950 empresas com um volume de emprego ligeiramente superior a 19 mil trabalhadores.
 
- No segmento da restauração colectiva operavam cerca de 720 empresas que empregavam aproximadamente 17 mil pessoas. Neste segmento encontram-se operadores de grande dimensão, entre os quais se destacam as filiais de alguns dos principais grupos multinacionais do sector.
 
- Nos segmentos de restauração colectiva e transporte o grau de concentração da oferta é elevado, enquanto que o segmento de catering de alta qualidade se verifica uma maior atomização, com inúmeras empresas concorrentes de pequena dimensão. No exercício de 2011, as cinco principais empresas do sector alcançaram uma quota de mercado conjunta de 71,6%.