quinta-feira, 19 de julho de 2012

Mercado de Alimentos Congelados


Evolução do mercado

- A facturação sectorial registou no biénio 2010-2011 uma tendência ascendente. As receitas totais agregadas das 34 principais empresas do sector registaram em 2010 618 milhões de euros (6,7% mais do que em 2009) estimando-se, para 2011, 640 milhões - um incremento de perto de 4%.

- O sector apresenta um défice comercial que tem vindo a reduzir significativamente nos últimos anos, passando de 635 milhões de euros em 2007 para 483 milhões em 2011. Neste último ano, as exportações alcançaram os 278 milhões de euros, 9,9% mais do que em 2010, enquanto as importações aumentaram 3,5%, cerca de 761 milhões.

- Espanha é o mercado externo mais importante, reunindo uma quota sobre as exportações totais de 50% em 2011. França ocupa a segunda posição, com 11%, destacando fora da União Europeia, Angola e Brasil, ambos com quotas sobre o total de cerca de 7%.


Estrutura da oferta


- A estrutura empresarial do sector de alimentos congelados caracteriza-se pelo predomínio de operadores de pequena dimensão. Assim, apenas 25 empresas dão emprego a mais de 50 trabalhadores e só duas contam com pessoal ao serviço superior a 250 empregados.

- Os distritos de Porto e Lisboa são os que concentram um maior número de operadores. Baseandos-e nas 35 principais empresas do sector, cerca de 50% estão sediadas nestes distritos. Segue-se Santarém, onde se localizam pouco mais de 10% dos operadores.

- O volume total de emprego deste grupo de empresas registou em 2010 perto de 4.300 trabalhadores, registando um aumento de 1,8% em relação ao exercício anterior.


Dados Gerais, 2011

(a) corresponde às 34 principais empresas do sector.

Fonte: Estudo Sectores Portugal basic DBK: "Alimentos Congelados"