segunda-feira, 23 de julho de 2012

Imprensa Escrita em Portugal


Evolução do mercado

- O volume de negócio no sector da imprensa escrita tem mantido nos últimos anos uma tendência decrescente, num contexto de deterioração da conjuntura económica e forte contracção do investimento publicitário.


- Assim, para o ano de 2011 estima-se um valor de mercado de 635 milhões de euros, o que supõe menos 9,9% do que em 2010 e uma variação média anual negativa de 6,5% face ao ano de 2007.


- As receitas têm experimentado quebras tanto no segmento de jornais como no de revistas. No primeiro caso a facturação reduziu 11% em 2011, chegando aos 275 milhões de euros, enquanto nas revistas se situou nos 360 milhões, menos 9% do que em 2010.


- Neste contexto, a circulação sentiu uma redução notável em 2011, sobressaindo a queda no segmento dos jornais diários. Em 2011 deixaram mesmo de se editar em papel algumas publicações com uma quota de mercado significativa.



Estrutura da oferta


- O número de publicações periódicas editadas em papel tem seguido nos últimos anos uma tendência decrescente, até chegar, em 2010, aos 1.363, contra o máximo de 1.829 registadas no ano de 2004. Observa-se, ao contrário, uma evolução crescente das publicações em suporte electrónico, num total de 166 em 2010.


- Em 2009 registaram-se 800 editoras a operar no mercado, que geraram um volume de emprego de cerca de 7.000 trabalhadores. Predominam as empresas de pequena dimensão, em que cerca de 90% do total tem menos de 10 empregados.

- Do ponto de vista geográfico, a actividade da edição de revistas concentra-se na sua maioria na zona de Lisboa, cerca de 60% das empresas. Quanto à edição de jornais, destaca-se a zona Norte, com mais de 30% das editoras, à frente das zonas Centro e Lisboa.


Dados Gerais, 2011

(a) 2010

Fonte: Estudo Sectores Portual basic DBK: "Imprensa Escrita"