quarta-feira, 20 de junho de 2012

Estudo DBK sobre bebidas não alcoólicas


Evolução do mercado

- As vendas de bebidas não alcoólicas em Portugal viram-se penalizadas em 2011 pela debilidade da despesa das famílias. Assim, nesse exercício o valor do mercado situou-se em 890 milhões de euros, o que indica um retrocesso de 4,8% face 2010, tendência que se manterá previsivelmente em 2012.

- O volume total de consumo foi de 2.080 milhões de litros, menos 6,6% que em 2010. A água engarrafada é o principal segmento de actividade, em 1.170 milhões de litros, o que corresponde a 56% do total. Depois vêm as bebidades refrigerantes, cujo consumo se situou em 824 milhões de litros, e os sumos de frutas, com 110 milhões.

- O balanço comercial do sector apresenta um saldo deficitário, situando-se em 2011 à volta dos 74 milhões de euros. Não obstante, as exportações experimentaram um forte crescimento nesse exercício (+24%), sendo de destacar o dinamismo das vendas para Angola.


Estrutura da oferta

- No sector operam perto de 60 empresas, com um volume de emprego à volta de 3.000 trabalhadores.

- A actividade sectorial concentra-se na sua maioria num reduzido número de empresas; a título de exemplo, mais de 80% dos trabalhadores no mercado de água engarrafada pertence a uma dezena de fabricantes.

- Do ponto de vista geográfico, a actividade de engarrafamento de água realiza-se maioritariamente na zona Norte de Portugal, na qual se localizam cerca de 40% das empresas. As zonas Centro e Lisboa destacam-se como centros de produção de outras bebidas não alcoólicas, concentrando conjuntamente mais de 70% dos fabricantes de bebidas refrigerantes e sumos.

Dados Gerais, 2011

                                                     (a) 2009.
                                                     Fonte: Estudo Sectores Portugal basic DBK: "Bebidas Não Alcoólicas"