terça-feira, 13 de março de 2012

As vendas totais do mercado dos vinhos em Portugal cresceram cerca de 4% em 2011


A Informa D&B divulga hoje o Estudo Sectorial Portugal DBK sobre vinhos: a venda total do sector dos vinhos somou perto de 1100 milhões de euros. As vendas no mercado doméstico situaram-se nos 485 milhões de euros em 2011, uma descida de 1,4% em relação ao ano anterior sentindo-se, de modo especial, a diminuição do consumo e a forte concorrência de preços. Destaca-se, no entanto, o crescimento das exportações, que alcançaram cerca de 700 milhões de euros, mais 7% do que em 2010.


Evolução do mercado:
- A debilidade do consumo interno e a concorrência de preços marcaram a recente evolução do mercado português de vinhos, que se situou nos 485 milhões de euros em 2011, representando uma descida de 1,4% em relação ao ano anterior.
- No que toca ao comércio externo, depois do aumento de 14% registado em 2010, as exportações voltaram a registar uma variação positiva em 2011, cerca dos 7%, situando-se nos 695 milhões de euros. Por outro lado, as importações reduziram significativamente nos últimos anos, passando de 100 para 79 milhões de euros, entre 2009 e 2011.
- Com um valor de 315 milhões de euros, as vendas de vinho do Porto ao exterior representaram em 2010 49% do total das exportações, destinando-se principalmente ao mercado francês (27%), Países Baixos (14%), Reino Unido (13%) e Bélgica (12%).
- O bom comportamento das exportações permitiu que, apesar da quebra do mercado interno, as vendas totais do vinho produzido em Portugal tenham experimentado um crescimento de cerca de 4% em 2011, até alcançar os 1,1 milhões de euros.
- A crescente orientação para o exterior constitui uma boa oportunidade para as adegas portuguesas, ainda que a envolvente seja débil, as margens de crescimento escassas e que haja uma forte concorrência nos mercados internacionais de países produtores não tradicionais.


Estrutura da oferta
- Em Portugal operam cerca de 1.700 produtores de vinhos, predominando as cooperativas de tamanho reduzido. Estas concentram uma parte muito significativa da produção, com a maioria dos vinhos sem Denominação de Origem Protegida (DOP) nem Indicação Geográfica Protegida (IGP), segmento em que reúnem cerca de 60% do volume total.
- A superfície vitivinícola em Portugal tem vindo a reduzir nos últimos anos, situando-se em 2010 nos 243 mil hectares, menos 1.000 que no ano anterior.
- A região de Trás-os-Montes, que integra as denominações do Douro e Porto, é a mais extensa, com cerca de 68 mil hectares em 2010, perto de 29% do total da superfície. Por sua parte, a região das Beiras concentra mais de 24% do total, seguida do Minho (13%) e de Lisboa (11%).

Dados Gerais 2011
(a) Valor das vendas de vinho produzido em Portugal
(b) Estimado pela DBK

Fonte: Estudo Sectores Portugal DBK: “Vinhos”